As 10 lições que a minha mãe me ensinou sobre o dinheiro

sabedoria

Quando meu pai morreu ainda jovem, tudo ficou muito difícil para a minha mãe. Ela, que até então era dona de casa, teve que aprender uma nova profissão para sustentar a família e criar as suas 3 filhas de 1, 3 (eu) e 5 anos.

Há várias lições que ela ensinou. Dentre as mais notáveis, são elas:

1.) Não ter vergonha do passado

Em um período muito difícil, logo após o falecimento do meu pai, minha mãe não tinha dinheiro para comprar comida. Meu pai morreu de leucemia, e minha mãe tinha gastado todo o dinheiro de suas economias tentando salvá-lo. Sim, teve uma época que para ela foi bem complicado. Ela pegava os alimentos que eram descartados na feira, próprios para consumo, mas não apresentáveis para venda. Tanto eu como ela, temos orgulho do nosso passado difícil. As dificuldades que enfrentamos é o que gera o sentimento de gratidão pelas pequenas coisas.

2.) Saber que nada dura para sempre

Nada dura para sempre. Nem as coisas boas, nem as coisas ruins. Ela sabia disso. E usou essa frase como um mantra para se reerguer.

3.) Não é feio passar necessidade: feio é viver ostentando hoje para depois passar necessidade no futuro

Minha mãe conheceu diversas pessoas com uma renda considerável, mas que se endividaram depois de alguns anos. Ela conheceu pessoas que tiveram que sair do apartamento de alto padrão que moravam, porque as empresas que possuíam decretaram falência. Ela sempre explicou a importância de poupar uma parte do nosso dinheiro para os períodos de vaca magra. A vida é feita de ciclos e da mesma forma que há períodos de fartura, há períodos difíceis. Não é SE um dia acontecer, mas QUANDO acontecer. Por isso, para ela era tão importante poupar para se preparar para o dia incerto de amanhã.

4.) Me ensinou a importância de poupar através da dor (já que pelo amor eu não aprendia)

Na época da faculdade, minha mãe depositava dinheiro na minha conta todos os meses. Como eu estudava no interior de São Paulo, o dinheiro deveria (teoricamente) servir para me alimentar durante o mês, pagar a pensão, o transporte, material escolar, passagem de ida e volta para visitá-la, e ainda sobrar para poupar. Deveria… mas eu gastava tudo. E toda vez que o dinheiro faltava, eu ligava para ela pedindo para depositar mais um pouquinho. Foi assim durante 3 anos. Até que em um mês fatídico, ela falou que não iria mais depositar o dinheiro, porque estava cansada de falar todos os meses para eu poupar e desligou o telefone. Meu Deus! Naquele mês, vivi todos os dias com muita emoção! Como eu iria me alimentar? Tive que vender minhas roupas, meus eletrônicos, vendi tudo que foi possível. Passei cerca de 2 semanas comendo só arroz e pão, que eram as únicas coisas que eu conseguia comprar. Depois desse susto, eu aprendi a importância de guardar dinheiro e nunca mais parei. Valeu a pena heim, mãe! rs

5.) Não faça dívidas. Nunca!

Isso significa viver com o dinheiro que temos. Mesmo na fase difícil, onde nós fomos transferidas de uma escola privada para pública (e permanecemos até o colegial), mesmo quando meu tio insistiu em pagar as mensalidades de nós 3 para que continuássemos na mesma escola, minha mãe não quis viver com o dinheiro que não era dela, nem fazer dívidas. Resolveu baixar (e muito!) o padrão de vida de acordo com o que era possível. Como na época, o possível era o impossível, significou vivermos com muito, muito pouco.

6.) Pense na aposentadoria

Quando ela era mais nova, olhava para as pessoas que tinham uma vida confortável e sempre pensava “será que um dia vou conseguir chegar a ter esse estilo de vida?”. Depois de algumas décadas, a vida pregou uma peça e muitas das pessoas que viviam de forma confortável, atualmente, estão passando necessidade. E a minha mãe, que sempre foi econômica e disciplinada, hoje vive uma vida confortável.

7.) Tenha várias rendas

Mesmo sem completar o estudo, minha mãe soube praticar isso. Ela possui diversas rendas como o INSS, a previdência privada, o aluguel de imóvel, etc.

8.) Não depender de alguém para fazer as suas próprias coisas

Nem sei se ela lembra dessa história. Quando eu tinha uns 6 anos, lembro que o pneu do nosso carro tinha furado. Um homem muito gentil, vendo uma mãe com 3 filhas pequenas, se ofereceu para trocar o pneu. Só que ela, muito teimosa, não deixou. O homem comentou “sua mãe é bem orgulhosa heim”, e ela pediu para entrarmos no carro imediatamente. Já dentro do carro, explicou o motivo: “não dependa de alguém para fazer as suas próprias coisas”.

9.) Não subestime a outra pessoa pela aparência

Outro exemplo interessante é que minha mãe conheceu um catador de papelão que morava em um apartamento de luxo. Ele trocava de roupa na hora de trabalhar, ou seja, usava roupas surradas para puxar seu carreto. As pessoas achavam que ele passava necessidade, mas na verdade, ele tinha uma vida muito confortável. A lição é nunca julgar as pessoas pela aparência.

10.) O poder da criatividade

  • Durante muitos anos, eu vi a minha mãe trazendo móveis da rua, jogados no lixo. Ela trazia os móveis, lixava, pintava, literalmente transformava o móvel sujo e esquisito em um móvel digno para se colocar no centro da sala de estar. Vi uma porta velha se transformar na nossa mesa de estudo e também em uma mesa de ping-pong, vi o tampo de uma mesa redonda se transformar em um aparador meia lua para o hall de entrada.
  • Por não querer mais morar em um prédio mal cuidado, decidiu que iria ser síndica e transformou o lugar: criou vagas de garagem para carros, antes inexistentes, criou um jardim, dividiu o hall em entrada e de serviço, reformou elevadores, trocou as janelas e a fachada do prédio, além de melhorias invisíveis como reforma da caixa d’água entre outros.
  • Por ela não ter dinheiro, aprendia olhando o serviço dos outros. Foi assim que aprendeu a pintar paredes, usar a furadeira, instalar armários, trocar chuveiro, consertar pequenos problemas elétricos, costurar etc. Com criatividade e boa vontade, dá para conseguir muita coisa.

Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir. ~ Cora Coralina ~

~ Yuka ~

Anúncios

66 comentários em “As 10 lições que a minha mãe me ensinou sobre o dinheiro

    • Oi Lu, os momentos difíceis existem, e a vida são feitas de ciclo. Sabendo que essa fase irá passar, nos resta planejar e executar possíveis formas de sair o mais rápido da situação em que nos encontramos. Como diz a minha mãe, nenhum inverno durará para sempre. Prepare-se para quando a primavera chegar. Beijos.

      Curtir

    • Oi Estevam, é muito bom quando temos alguém da família, ou até mesmo parente ou amigo que se dispõe a nos ensinar algo. Hoje em dia, alguém dispor um tempo para nós virou raridade. Beijos pra você.

      Curtir

  1. Yuka,

    Seu post é uma grande lição de vida para todos nós. Em meio a tantos contratempos, sua mãe conseguiu extrair algo bom das situações de uma vida difícil. Um ótimo exemplo de superação e de como o esforço e o exemplo valem a pena, pois a influência de sua mãe está bem presente na sua vida, como vemos aqui no blog.

    Tentei encontrar uma lição mais importante do que a outra para comentar, mas parece que as 10 são como engrenagens de um relógio: para funcionarem bem, necessitam trabalhar em conjunto.

    Esse é um daqueles posts para ser guardado e lido várias vezes.

    Boa semana!

    Curtir

    • Oi Rosana, puxa, gostei do que você escreveu, de que as lições são como engrenagens de um relógio. É bem isso mesmo. Minha mãe soube se tornar uma pessoa mais forte. Beijos e boa semana pra você também.

      Curtir

  2. Passei por isso também. Ter uma mãe guerreira fez toda a diferença na minha vida. Meu pai não morreu fisicamente, mas nos abandonou e tivemos que aprender a viver com quase nada. Foi dureza. Eu n tinha mesa em casa, e estudava na tábua de passar kkkk. Bem, entrei numa universidade pública, no curso que eu queria e valeu a pena todo esforço sobre-humano que toda a mina família fez, para que eu pudesse estudar. Parabéns pela sua trajetória. Você me inspira demais!!!!

    Curtir

    • Oi Juliana, sua mãe foi bem criativa botando você para estudar numa tábua de passar kkk. Nas necessidades, a nossa criatividade fica mais evidente. Outro dia estava assistindo um vídeo do Rossandro Klinjey em que falava que os pais de hoje tentam a todo custo evitar que os filhos passem necessidade, sem nem perceber que foram justamente essas necessidades que nos tornaram fortes. Faz muito sentido… Um beijo pra você, e parabéns também pelo seu esforço!!

      Curtir

  3. Bem se vê de onde vem tanta sabedoria! Que legal ter uma mãe assim Yuca! Ela é uma grande vitoriosa!!! Conseguir bem direcionar uma família sozinha e ainda enfrentando dificuldades financeiras não deve ser nada fácil. Um grande abraço… leio todos os seus textos!

    Curtir

    • Oi, ela é sim, uma vitoriosa. E pensar que ela também se considerava burra a vida toda… tenho falado muito pra ela, que a inteligência dela não é acadêmica, é a mesma que a minha rs. Beijos.

      Curtir

  4. Realmente, Yuka. Tenho um exemplo na família de uma tia, que se achava a espertona, que mostrava que só queria perfume importado que custava R$ 1000,00. Eu perguntei a ela: “Porque você não faz uma poupança para o seu filho?” (nessa época o rapaz estava finalizando o colegial). Ela disse: “A vida é curta, vou gastar mesmo.” Enfim, veio a crise e tanto ela quanto o marido estão desempregados, vivendo da renda do sogro que tem demência e mora com eles. Tiveram que tirar o meu primo do cursinho e agora o menino está procurando emprego (sem perspectiva). Eu e minha mãe até pensamos em falar com o meu pai e meus irmãos para pagarmos o cursinho. Porém, como eles esbanjaram e não estamos vendo esforço nenhum da parte dele em sair dessa situação, desistimos (o restante da família já tem o costume de vir atrás do dinheiro da minha mãe – não somos ricos. Eles que não querem trabalhar e nunca foram de estudar. Aos poucos estamos cortando isso.).

    Curtir

    • Oi Carol, e o mais triste em saber tudo isso é ter uma percepção de que seus tios não aprenderam nada com isso. Eu tenho sentido isso na pele, que a primeira mudança tem que partir de dentro da pessoa. Só a partir da vontade imensa de mudar, de sair daquela situação, é que alguém consegue sair do “buraco”. Eu mesma, já tentei ajudar muitas e muitas pessoas, mas ninguém me ouve rs. E eu percebi que é porque elas não tomaram consciência do problema ainda. Sobre sua família ajudar seu primo, é bem isso que você falou, vocês podem até se juntar e pagar o cursinho, enquanto os pais ficam vivendo às custas do sogro. E depois que seu primo entrar na faculdade? Quem irá pagar? Vocês de novo. E quando um dia vocês precisarem do dinheiro e pararem de custear a faculdade do seu primo, as pessoas irão apedrejar vocês, porque o que era para ser uma boa ação, se tornou obrigação. Já vi muitas vezes isso acontecer. Temos que tomar muito cuidado onde enfiamos nossos pés. Beijo pra você.

      Curtir

  5. É incrível como nossos pais podem nos ensinar tanto! Obrigada por compartilhar os ensinamentos da sua mãe, com certeza serão úteis para várias pessoas.

    Curtir

    • Oi Maria, sim, enxergar o copo meio cheio faz toda a diferença em como podemos enfrentar a fase difícil. Conheço uma pessoa que também tem uma história similar à minha, apesar dos pais ainda estarem vivos. Só que no caso da pessoa em questão, se tornou muito amargurada, pois ao invés de ter gratidão por ter superado a fase difícil, enxergou o copo meio vazio, ou seja, lamenta até hoje ter tido uma vida difícil. Uma pena. Beijos.

      Curtido por 1 pessoa

  6. Olá Yuka, que belas lições de vida sua mãe lhe deu! Muitas pessoas encaram as dificuldades como grandes traumas, mas eu as considero, assim como você, grandes aprendizados! Posso sugerir posts? Conte-nos como planeja suas viagens e como consegue driblar os pontos turísticos caríssimos!

    Curtir

    • Oi Isabele, é muito bom quando a gente consegue enxergar as dificuldades como grandes aprendizados. Além da gente não ficar ranzinza rsrs, aprendemos ainda com os erros. Sobre a sugestão de post, vou deixar anotado, tá? Preciso voltar a viajar, depois que as minhas filhas nasceram, diminuímos muito as viagens rs. Beijo.

      Curtir

  7. Com certeza o melhor post que já li neste blog! Meus pais também são meus parâmetros para tudo na vida. Concordo com absolutamente tudo o que sua mãe te ensinou, ela é uma guerreira. Parabéns pela linda família! Boa semana!

    Curtir

    • Oi Fernanda, a gente cresce e desenvolve muito como pessoa quando sofremos. Com a minha mãe também não foi diferente. Obrigada pelo elogio rs. Beijo e uma boa semana para você também.

      Curtir

  8. Li o texto ontem e chorei muito lendo o poema de Cora… A uns três anos atrás aconteceu tive uma decepção muito grande na véspera do meu aniversário de 30 anos e desde então fico muito triste quando o meu aniversário se aproxima, mesmo achando que superei aquele momento difícil no dia – dia mas sempre que chega meu niver não consigo ficar feliz nem comemorar e sei que tô errada pq tenho muito que agradecer…

    Curtir

    • Olá, talvez o que tem acontecido com você é o que chamamos de gatilho. Todo hábito começa com um gatilho. Como você ficou muito triste por causa de uma decepção que aconteceu na véspera do seu aniversário, seu cérebro entende isso como um gatilho. E ano após ano, a mesma sensação de tristeza transborda dentro de você. Li isso no livro chamado O Poder do Hábito. Está disponível online, caso interesse: http://lelivros.love/book/download-o-poder-do-habito-charles-duhigg-em-epub-mobi-pdf/

      Curtir

    • Puxa ! Fica assim não, um dia vai passar 😉 tente vincular a data com algo novo.
      Quem sabe como a Yuka falou você encontre um novo gatilho. Desejo que tudo passe e que novas fases positivas lhe acompanhe.
      Com o passar do tempo vamos mudando eu digo que Eu ontem não sou mais Eu hoje e com certeza não terei a mesma cabeça com o amadurecimento vamos mudando… e muitas coisas negativas acabam ficando para trás.
      Eu sou um pouco Poliana na vida, ajuda bastante ver os dois lados ao invés de somente um 😉
      Um forte abraço no seu ❤️

      Curtir

    • Puxa ! Fica assim não, um dia vai passar 😉 tente vincular a data com algo novo.
      Quem sabe como a Yuka falou você encontre um novo gatilho. Desejo que tudo passe e que novas fases positivas lhe acompanhe.
      Com o passar do tempo vamos mudando eu digo que Eu ontem não sou mais Eu hoje e com certeza não terei a mesma cabeça com o amadurecimento vamos mudando… e muitas coisas negativas acabam ficando para trás.
      Eu sou um pouco Poliana na vida, ajuda bastante ver os dois lados ao invés de somente um 😉
      Um forte abraço no seu ❤️

      Curtido por 1 pessoa

  9. Yuka querida! Que linda história de vida a sua não?! Resiliência foi o que não faltou a sua mãe, que tem toda minha admiração!!! Obrigada por compartilhar essa preciosidade conosco… E obrigada por sempre trazer tanta luz e amor para nossas vidas!!!
    Beijos em vcs

    Curtir

    • Oi Carol, sim, eu falo pra minha mãe que somos bem parecidas hehehe. Saber que aquela situação ruim não é permanente e traçar um plano pra sair do buraco faz toda diferença para levantar, sacudir a poeira do corpo e sair andando mais forte do que quando caiu. Obrigada pelo comentário carinhoso. Um beijo pra você.

      Curtir

  10. Linda história! Você já tinha mencionado um pouco da sua história…mas agora ficou bem claro de como você cresceu espiritualmente e agora compartilha com todos as superações que teve que enfrentar na vida desde pequena, e sua mãe é uma guerreira .
    Um exemplo de vida e para a vida toda, eu gosto muito de me espelhar em histórias de superação, pois é uma forma de evoluir não só física mas, espiritualmente.
    Obrigada por compartilhar conosco sempre Yuka!
    Gratidão !

    Bjs enorme!!!

    Dri 😀

    Curtir

    • Oi Dri, sim, na verdade eu até acho que a minha vida foi bem fácil, quando comparo com a da minha mãe rs. Mas como disse em outros comentários, o fato de não ter vergonha de ter passado o que passou (muito pelo contrário, temos orgulho), mostra que aprendemos com todas as dificuldades. Esse é um dos fatos que eu levo o meu divórcio numa boa. As pessoas estranham quando eu comento sobre meu ex-marido com naturalidade, inclusive com o meu marido. Eu gostava muito dele, e era muito bem cuidada, quando falo dele para as pessoas, isso é visível. Meu marido diz “como não gostar de uma pessoa que te tratou tão bem e que fez você feliz por alguns anos da sua vida?”. Foi por causa dos erros que cometi no casamento anterior, que o meu casamento atual é mais maduro. Vivendo e aprendendo rs. Beijos.

      Curtir

      • Yuka, quando a gente é bem resolvida na vida não deixamos pendências para trás. E por isso eu te admiro e por isso que você tem bastante leitores aqui no blog porque todos os seus posts nos trazem ensinamentos, nos fazem refletir melhor mesmo depois de passarmos por momentos difíceis na vida. E seu marido é uma pessoa sensata e sabe separar as coisas. Vocês estão no caminho certo ! Na evolução da vida a gente vai aprendendo com as lições que a vida nos coloca na caminhada.
        E vamos vivendo a vida !!!
        Viver é muito bom e com saúde chegamos lá …um grande beijo e um abraço enorme ♡♡♡♡♡

        Curtir

  11. Oi Yuka!
    Lá em casa foi tudo ao contrário, o objetivo dos meus pais eram nos manter em escola particular sempre e me orgulho dessa visão deles mas nunca tivemos poupança, ninguém sabia trocar lâmpada, eu via minha mãe trabalhando em casa e meu pai dormindo após viajar durante a semana e dizia que eu iria estudar para ter empregada (e ainda tenho no momento), tantas coisinhas. Mas fui mudando e hoje meus filhos estão em fase de transição. Há muito que não dou dinheiro para meu filho (pagamos a faculdade e van) e agora ele perdeu o Iphone que dei de presente (há dois anos) e vai ter que se virar para comprar outro. Eles cobram viu…como se eu fosse obrigada, mas hoje tenho liberdade (e zero culpa) para dizer não.
    PS; Eu e meu marido frequentamos a lanchonete do meu ex- (pai dos meninos) e ouvi uma amiga dizer que não teria maturidade para isso. Mas hoje somos assim e detalhe…ele não cobra de nós os lanches rss…
    PS2- Não seria no plural a primeira parte do penúltimo parágrafo?

    Curtir

    • Oi Karina, quando você tem um bom relacionamento com o seu ex-marido, TODOS ganham com isso: os filhos, você e seu ex-marido, pai dos seus filhos. Isso se chama maturidade e visão a longo prazo. Seus filhos crescerão sabendo do esforço e respeito entre vocês, reconhecerão o amor do pai e da mãe, respeitarão seu relacionamento com seu marido atual e de quebra ainda ganham um lanche grátis rsrs. Todos os adultos (você, seu marido e seu ex-marido) com muita maturidade em prol de um bem maior: filhos! Lindo de ver isso. Parabéns!

      Curtir

  12. Achei…na verdade foi na sua resposta para a Adriana “nos erros que cometi” eu nao falava de gramática mas sim de que ninguém erra sozinho em um casamento…Seu ex pode ter sido uma pessoa legal mas penso que ele também errou na relação a dois..gratidão por seu blog!

    Curtir

    • Ah entendi. É, eu costumo falar “meus erros” porque nem sei se meu ex-marido tem consciência dos seus erros. Acabo me concentrando mais nos meus, que é onde tenho condições em trabalhar e melhorar hehehe. Um beijo!!!

      Curtir

  13. Desculpe o textão, mas senti vontade de compartilhar contigo:
    Não conheço sua mãe, Yuka, mas já admiro imensamente. Não aprendi nada disso com a minha. Meu pai (que é a parte japonesa) sempre foi um poupador nato, mesmo vindo de família classe média. Já minha mãe veio de família bem humilde e quando eu nasci, já tinha condições de vidas bem melhores, graças a meu pai. Nasci em berço de luxo, como ela mesma diz.
    Após o divórcio deles, acabei sendo criada por ela e adquirindo valores de vida nada econômicos. Sei que no fundo ela só queria o melhor pra mim e como não tinha tempo, por trabalhar demais, ela tentava substituir a presença dela com “coisas”. Eu tinha de tudo e ao mesmo tempo nada. E eu cresci acreditando que coisas são melhores que pessoas. Que aniversários precisam ter presente. Que não existia diferença entre luxo e necessidade… Enfim… até o dia que resolvi que algo estava errado. Eu estava cansada de comprar tanto, de acumular tralha em casa… de estar cercada de coisas e pessoas que nem gosto. Eu estava me perdendo…
    Hoje as coisas estão bem melhores, mas há muito pra evoluir ainda. Uma vida inteira é difícil mudar do dia pra noite, mas continuo seguindo em frente… me libertando de valores que não me agregam, me desfazendo dos excessos…
    Você me inspira demais! Sua simplicidade me fascina! Um beijo enorme!

    Curtir

    • Oi Tiemi, o que eu tenho percebido, agora que sou mãe, é que erramos a todo momento. Pode ser que o que os pais nos ensinaram não tenha sido a coisa mais correta, mas para eles, naquele momento de vida, era o melhor que eles podiam oferecer para nós. Eu mesma, apesar de ter muitas semelhanças com a minha mãe, ao mesmo tempo sou muito diferente. E tenho me tornado cada vez mais diferente porque estou correndo atrás do meu próprio desenvolvimento pessoal. Veja só você, percebeu que o excesso que sua mãe oferecia, não funcionava pra você (pra muita gente funciona!). E por isso mesmo está correndo atrás da fórmula que funciona em você. Isso significa ressignificar tudo o que foi ensinado, e por isso é tão difícil mudar. Mas você está certa! Não é porque uma regra dá certo para todos, que dará para você. A gente tem que ir atrás do nosso desenvolvimento pessoal, nos conhecer melhor, para assim saber o que realmente queremos. Sem isso, ficamos só dando voltas e mais voltas. Um beijo pra você, você está no caminho certo 😉

      Curtir

  14. Oi boa tarde sou leitora do seu blog, te acompanho a muito tempo,porém hoje resolvi comentar.
    A sua mãe deve ter minha idade ,você falando dela me deu vontade de sentar com ela e ficar horas conversando,admiro seu talento para escrever e fala com muita simplicidade porém com muito conhecimento e com uma facilidade que me encanta .
    leio todos as suas postagens e tento colocar em prática um pouco todos os dias sempre ,fiquei muito feliz no dia em que pela primeira vez você mostrou seu rosto,sou uma mãe de família que aprendeu a ler muito tarde , família muito humilde por isso não repare os erros, mas to descobrindo o mundo das letras agora.
    muito obrigada e felicidade hoje e sempre.

    Curtir

    • Oi Aparecida, que bom que você escreveu pra mim. É sempre muito bom quando as pessoas escrevem pela primeira vez pra mim. Pra você ver que tudo é baseado pelo ponto de vista que a gente enxerga. Há alguns anos, por justamente falar de forma simples, eu não me achava inteligente. Sou da área acadêmica, onde falar rebuscado e difícil é muito bem visto. Então pra mim, falar do jeito que falo, de forma simples e sem entrelinhas, era estranho. Hoje eu prefiro a fala simples. Inclusive prefiro conversar com pessoas que tenham a fala simplificada. Você escreve maravilhosamente bem, nunca é tarde para estudar, eu mesma, estudo todos os dias, leio algum livro todos os dias. Faz bem para a nossa mente e para a nossa alma. Escreva sempre que se sentir vontade. Um beijo pra você.

      Curtir

      • Oi muito obriga por responder e elogiar minha escrita fui alfabetizada com 57 anos.
        gosto muito de ler e peguei todas as dicas de livro que você nos deu.sou tenho agradecer as dicas que são muito valiosas e tem mudado a minha vida e da minha família ,ler seu blog e como se a gente conversasse com um amigo muito querido e quer ver a gente bem uma coisa que eu aprendi com a vida e:quando dividimos,não diminui e sim multiplica ,isso acontece com as coisas que você escreve parabéns felicidade para você e toda família.

        Curtir

        • Alfabetizada aos 57 anos? Que superação! E dedicação! E força de vontade!!! Sim, quando a gente ensina, não ficamos com menos conhecimento. A parte ruim é que cada vez mais eu percebo que poucas são as pessoas que querem ouvir, que querem mudar para ser uma pessoa melhor, para ter uma vida mais confortável. A maioria das pessoas só querem falar e falar e falar. Cada um de nós escolhe o caminho que queremos percorrer, não é mesmo? Um beijo pra você, Aparecida.

          Curtir

  15. Oi Yuka, que tal vc fazer uma entrevista com a sua mãe? Ela tem tanta coisa pra ensinar! Aliás, com seu blog reflito e me inspiro muito, sou leitora há alguns meses, mas é a primeira vez que comento. Um beijo e obrigada!

    Curtir

    • Pois é Ana, tinha uma época que eu até pensava em anotar em algum lugar todas as coisas que ela falava, desde como ela faz para não jogar comida fora (acredita que a lixeira da cozinha dela quase não tem lixo orgânico?), o seu ponto de vista etc… vou perguntar pra ela rsrs. Vai que ela se anima. Beijos.

      Curtir

  16. Yuka! Que texto lindo! Muito bacana a forma de sua mae lidar com os problemas que passou! Parabéns a ela! Muitas vezes essas atitudes são tão decisivas na formação dos filhos… diante das dificuldades precisamos ter muita sabedoria pra agir…

    Curtir

    • Realmente Fernanda. Ela tinha tudo para se mergulhar na tristeza, desistir de viver, mas se reergueu. Não só se reergueu, mas deu a volta por cima. É uma mulher muito forte. Eu falo pra ela, que ela é a pessoa mais inteligente que eu conheço, tem uma sabedoria de vida incomparável. Beijos pra você.

      Curtir

  17. Pingback: As 10 lições que a minha mãe me ensinou sobre o dinheiro – Vida Rica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: